Faturamento do varejo paulista cresce 3,3%

Em maio, as vendas do comércio varejista no Estado de São Paulo atingiram R$ 53,6 bilhões, alta real de 3,3% em relação ao mesmo período do ano passado. Esse foi o quarto maior resultado do varejo paulista para o mês desde o início da série histórica, em 2008.

Dessa forma, o faturamento real do setor acumulou altas de 6,1% no ano e de 5,3% nos últimos 12 meses. Apesar do crescimento, os dados de maio mostram uma desaceleração no ritmo de crescimento motivada pela paralisação dos caminhoneiros, que criou uma crise de desabastecimento em todo o País.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP).

Diferentemente do que vinha sendo observado desde julho de 2017, com o varejo paulista registrando crescimento das vendas na maioria das atividades e em todas as 16 regiões do Estado, em maio houve um maior equilíbrio entre os nove setores analisados, com quatro deles mostrando quedas, quatro apresentando altas e um apontando estabilidade.

Entre os segmentos com aumento em seu faturamento real em maio, destacaram-se outras atividades (8,8%), em que predomina o comércio de combustíveis, e supermercados (4,2%). Juntas, essas atividades contribuíram com 3,2 pontos porcentuais (p.p.) para o resultado geral.

Em contrapartida, concessionárias de veículos (-2,3%) e autopeças e acessórios (-5,6%) impediram um resultado geral melhor, exercendo uma pressão negativa de 0,4 ponto porcentual.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, os dois setores que mais cresceram no mês foram diretamente impactados pela paralisação dos caminhoneiros. O primeiro engloba a venda de combustíveis, cuja forte alta dos preços impulsionou o faturamento do grupo de outras atividades muito acima da média geral da inflação.

O segmento de supermercados, por sua vez, além da alta nos preços decorrente do desabastecimento temporário, também registrou antecipação de consumo no fim do mês em função da incerteza quanto à duração da paralisação e do risco de generalização da falta de produtos alimentícios, principalmente. Os consumidores com condições financeiras optaram pela estocagem no fim do mês, o que impulsionou essa alta nas vendas.

Fonte: Assessoria de imprensa FecomercioSP/ crédito da foto: cdlnatal.com.br

Voltar para listagem de notícias