Uma em cada quatro famílias pretende consumir mais nesta Copa do Mundo

Faltando poucos dias para o início dos jogos na Rússia, pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revela que 24,0% das famílias brasileiras têm intenção de consumir itens relacionados ao Mundial de Futebol de 2018.

Esse percentual representa menos da metade dos registros de intenção de consumo às vésperas da Copa realizada no Brasil em 2014 (50,1%). O levantamento da entidade foi efetuado em todas as capitais e respectivas regiões metropolitanas, entrevistando cerca de 18 mil consumidores.

Os produtos mais procurados deverão ser alimentos e bebidas (9,9%), itens de vestuários masculino, feminino e infantil (7,5%) e aparelhos televisores (4,3%). Em todos esses casos, entretanto, as intenções atuais de gastos se mostraram menores do que aquelas relatadas antes da Copa passada (21,5%, 14,3% e 13,3%, respectivamente).

Nas capitais, as maiores intenções de consumo de alimentos e bebidas foram relatadas em São Luís (30,7%), enquanto os consumidores de Boa Vista (23,3%) e Manaus (12,6%) são os mais propensos a consumir itens de vestuário e televisores, respectivamente.

A maioria (51,6%) daqueles que pretendem consumir deve gastar pelo menos R$ 200,00, sendo que 39,2% declararam intenções de consumir mais de R$ 300,00.

Entre as famílias com renda mensal superior a dez salários mínimos, o gasto médio acima de R$ 300,00 representa mais da metade (50,6%) do universo pesquisado. As famílias desta faixa de renda, entretanto, correspondem a menos de 16% do universo pesquisado.

Quanto às modalidades de aquisição, a maior parte dos consumidores (83,8%) deverá se dirigir às lojas físicas, especialmente aqueles que integram famílias com renda média mensal menor ou igual a dez salários mínimos (85,6%).

O varejo virtual ainda não representa 5% do faturamento anual do comércio brasileiro. E, segundo 63,6% dos entrevistados, os gastos serão pagos à vista, sendo ainda mais frequentes entre os consumidores da faixa de renda mais elevada (70,9%). 

Fonte: cnc.org.br/ crédito da foto: POPMUNDICOMBR

Voltar para listagem de notícias